segunda-feira, 3 de dezembro de 2018


Razão para Escrever


Vivo a procurar
Razão para criar
No papel registrar
O que a imaginação moldar
Bobagens do pensar
E depois tudo digitar
Até ficções do meu imaginar
E aqui lhes vir mostrar

Gostaria de saber
No estilo cordel escrever
Mas a mente faz-me perceber
Creio até, ao meu total compreender
Sem enganar-me e por isso ao meu ver
Essa barreira não conseguirei romper
Portanto, vou me conter
E apenas essa vontade ter
E cordelista não vou ser

Até pensei em algum local ir
Criações cordelistas adquirir
Lê-las a vontade e também rir
Aplaudi-las e exprimir
Que natural criação ao sorrir
Simples, verdadeiras ao referir
Histórias felizes e também do ferir
E as otimistas crendo no porvir

É muito legal o tema da cor
Infelizmente aí pode entrar a dor
Mas tudo superado ao falar de amor
Sentimento de Deus, um primor
Sendo Ele o nosso Criador
E ao falar de Deus, vai-se a onde for
Lá Ele estará nos protegendo com fervor
Basta crer e elevar uma prece ao Senhor

E agora depois do ar, er, ir e or escritos
Teria na sequência vir o ur, como visto
Afinal usei as vogais e o “r” e nem despisto
Fui tentar com ur inventar
Para esta criação encerrar
Puxei pela imaginação à encontrar
Porém, catei e procurei e nada a mostrar
Assim quem puder e se dispor a ajudar
E uma parceria formar
É só as palavras informar
E aqui com satisfação vou juntar
Lúcio Reis
Belém do Pará-Brasil, em 03/12/2018


terça-feira, 27 de novembro de 2018


Doentes?


Não é simples dor de dente
É muito fácil confirmar
Pela reação são doentes
Não é difícil constatar
Não necessita ser médico
Brasileiro, argentino ou cubano
Qualquer bom senso pode atestar
A visão vê mas não pode enxergar
O tímpano ecoa mas não consegue escutar
A realidade escancara
Mas milhares não a encara
Pois o mal não é geral
Mas o que se testemunha é letal
O inconformismo é indiscutível
O radicalismo é soberbo e visível
São entre outros os sintomas do doente
De extremismo como protestante
Ameaçando destruir e até matar
Quem lhe faz ou fizer parar
Ou apenas contrariar
Para os sem discernimentos
Perceptível em alguns comportamentos
A cura ou o benéfico remédio
Quem sabe venha e chegue com o tédio
Com o passar do tempo
Mestre de todas as cicatrizes
Até aquelas de profundas raízes
O Brasil retomando o sucesso
O cidadão sentindo e vendo o progresso
Os ladrões cumprindo a sentença do processo
Que decretou na cadeia seus recessos
Excluindo dos poderes o parasitismo
Dos vermelhos com todo seu cinismo
E assim somam-se os anos
Muitos concluirão: sim houve banditismo
Quem sabe na cor de outros panos
Que mudarão a tonalidade
Depois de décadas atrás de grade
E os que estão do lado de fora
Que os aplaudiam outrora
Percebam e sintam a enganação
Consigam concluir ter havido armação
Descarada trama de traição
Objetivando no poder a perpetuação
Iludindo o eleitor, povo humilde
Roubando sua dignidade
Usando-se do País com indignidade
Mas a espada de Luz os enfrentou
Não foi preciso sangue derramar
Ninguem pegou em arma e lutou
Apenas na urna digitou
Com seu voto cada um destronou
O petismo que a muitos prejudicou
E então em 01 de janeiro 2019
Nascerá um outro Brasil para brilhar
E o Gigante acordado vai sim prosperar
E os doentes de hoje vão sarar
Seus olhos e ouvidos voltarão a funcionar.
Lúcio Reis
Belém do Pará-Brasil em 27/11/2018



segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Bandeira do Brasil


Já tens teu belo hino e orientação
E tuas cores gravadas nos corações
Dos brasileiros do bem e suas reais emoções
Com ordem, progresso e respeito no coração

Quando hasteada lá fora à nossa visão
Faz-nos pulsar forte o pátrio sentimento
Apesar de tudo e de muitos, neste momento
Sente-se sim, muito orgulho desta Nação

Vamos mudar, e tudo recomeçar
Redescobrir úteis valores sem tropeçar
Irmanados na legalidade o grande abraçar
Esquecendo o passado do condenável destroçar

Somos uma Nação abençoada
Nosso Pavilhão espelha o cruzeiro
Em cada região um estado ordeiro
Que no amanhã brilhará igual e por inteiro

Sim, não olvidamos a violência da destruição
Dos sem respeito, que te ultrajam sem noção
Queimando-te em praça pública, em ato de aberração
Mas, és maior e o amor por ti, apaga essa maldição

Progresso é a orientação com convicção
Que, com certeza chegará com organização
E no mastro continuaras a tremular
Sob o vento da paz, amor e do confraternizar

Por isso, reiteradas vezes já proclamamos
Convictos sabemos e gritamos
Jamais serás vermelha da opressão
Tuas cores da liberdade é a nossa representação.
Lúcio Reis
Belém,Pa-Brasil em 19/11/2018.

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Audiência Judicial Ex Presidente

Historicamente ex presidente é fato
Para sempre presidiário de fato
14 de novembro 2018 audiência judicial
A lei x o crime, na autoria do mal
O código penal x o cidadão do mau
Outra vez réu em audiência penal
A defesa do estado, da sociedade
No banco do réu a criminalidade
Não um mero urbano bandido
Mas ex presidente denunciado
Que não disparou contra a autoridade
Mas sim, foi incorporando a autoridade
Que com a caneta fuzilou o povo iludido
Gente pobre, esperançosa e humilde
Ludibriada com esmola e promessa da inverdade
Ferida reiteradas vezes em sua dignidade
Enquanto ele recebia pela ilegalidade
Cavava o buraco para enterrar o País
Não conseguindo totalmente por um triz
Arrogante como dante
Debochado como sempre e antigamente
Pousando de desinformado inutilmente
Pois diante de si a mulher juíza elegante
Firme, senhora de si, competente
Conduzindo o feito com respeitabilidade
Exercendo sua brilhante função com autoridade
Magistrada que orgulha nossa coletividade
Por isso escrevo para homenagear
A Justiça Brasileira sem titubear
Contra a qual sempre há alguém à mal falar
Registrando ser tendenciosa
Beneficiando a alta classe criminosa
E assim a Dra Gabriela Hardt no Paraná
Figurando na exceção da dita normalidade
Merece um brinde com doce guaraná
Mostrou ao País e ao mundo haver mulher de valor
Deixando o povo de bem feliz a lhe ofertar ramo de flor
E os corruptos em pânico, alvoroço
Por sentirem a corda outra vez no pescoço
E para usar o mote do momento, ouça lhe peço
Gabriela Hardt #elasim com aplausos e louvor
Crime do colarinho branco #elenão, que horror!
Lúcio Reis


Belém do Pará-Brasil, em 15/11/2018